A varanda – 1958

Aquela varanda
de imensidão na infância
foi meu universo
nas viagens interespaciais

Eu, minhas alpargatas e minha varanda

foi meu campo de futebol
de gude e de pião

cantinho de tristeza
outras…canto de alegria
canção dos meninos,
às vezes de um bom soninho.

De receber a imagem da santa
pra que toda a vizinhança
viesse orar ave-marias

Aquela varanda
que me viu em gatinhos
e, também, primeiros passos
que me acolheu contrariado
que me acolheu no esconde esconde
meu universo
de tão grande
imensa varanda

Varanda, de tantas princesas
Esquecida,
virou passagem da rua pra dentro
de dentro pra rua

Por onde passaram — derradeira passagem –
a vó e o vô queridos,
cada qual a seu tempo, dizendo adeus.

Pequenina, aquela varanda, permaneceu
Até que um dia
com sua cerâmica tão gasta
com o murinho que precisa ser pintado
ressurge gigante

Foi alí, meus sonhos gigantes
Como éramos gigantes,
eu e a varanda

Aldo Della Monica

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s